Motivação. Como vai sua motivação?

Às vezes a gente se pergunta por que algumas pessoas vão mais longe, mais rápido e conseguem melhores resultados do que outras. Diferentes pessoas, vivendo sob as mesmíssimas condições, tem resultados tão variáveis quanto suas digitais. Isso é intrigante, principalmente porque todos desejamos ser as pessoas que dão certo.

Há, sem dúvida, algum tipo de habilidade especial, capacidade de realizar, talento para a atividade que se propõe, mas só isso não explica. Quanta gente talentosa fica estagnada na vida, não se desenvolve, não chega “lá”. É surpreendente quando vamos à Bahia, por exemplo, em toda a esquina tem uma cantora excelente, em São Paulo, esbarramos com poetas e artistas, o Rio está repleto de habilidosos relações públicas, etc. Mas nem todo mundo é Daniela Mercuri, Carlos Drummond de Andrade, Juarez Machado ou Celita Jackson.

Não, o talento por si só não explica o sucesso. Talvez seja o esforço acima da média.

Entretanto aí também encontramos dificuldade em formar um padrão. Porque, se por um lado os mais bem sucedidos trabalham com afinco e determinação, por outro lado tem gente suando de sol a sol que não decola na vida. Assim o trabalho é um componente mas não determina o sucesso.

Se a fórmula ambiente, talento e esforço, não garantem sucesso, qual o ingrediente que falta? Educação? Não pode ser, tem gente semi analfabeta que revolucionou o mundo.

Inteligência? O mundo está repleto de gênios sem nenhuma expressão. Talvez não tenha uma resposta única. Quem sabe é a soma de uma série de condições favoráveis. Mas como explicar o fracasso de grandes herdeiros, apesar de belos, inteligentes, esforçados e dotados de condições excepcionalmente positivas?

Mais textos de auto ajuda da maravilhosa Dulce Magalhães:
É no Tempo que fazemos tudo acontecer!
A essência da mudança
Em tempos de plenitude
Motivação

Voltamos à estaca zero, ou quase. Na filosofia clássica encontramos algumas pistas sobre o elã especial que separa vitoriosos de meros mortais. Sócrates falava de crenças que determinam a realidade. Platão dizia que grandes caminhadas começam com a decisão do primeiro passo. Aristóteles afirmava que o ser humano é resultado de seus hábitos, e que a excelência nada mais é do que a gestão disciplinada de nosso comportamento. E ao longo da história muitos pensadores se juntaram a esses, fazendo coro, à idéia básica de que somos nós que moldamos nosso destino.

É também com esses estudiosos do comportamento humano que vamos descobrir mais sobre motivação, que é a capacidade de perseguir alvos, de mover-se em direção à objetivos claros. E a motivação é diferente do incentivo, porque este último é um elemento externo, o mundo nos dá incentivo. Já a motivação é um elemento interno, depende exclusivamente do desejo e da ação do indivíduo. E a motivação é muito mais importante do que o incentivo, porque ela nos permite o movimento necessário para conquistarmos o futuro desejado, enquanto o incentivo só é útil para a pessoa motivada.

Todos conhecemos exemplos de pessoas que venceram grandes obstáculos, pois vieram de famílias pobres, cresceram em comunidades carentes e, apesar de tudo, constituíram um espaço de sucesso e realização. Você pode verificar este componente pessoal da motivação, ao comparar a trajetória dessa pessoa com a das outras pessoas que viveram e vivem na mesma comunidade. De um modo geral, as pessoas estão reclamando do governo, da crise, do mundo e aguardando que a situação mude para que, então, elas realizem seus sonhos.

Contudo, a pessoa que temos como modelo motivacional jamais espera por uma mudança, ela vai à luta e constrói a mudança, é uma pessoa em movimento, que vai atrás do que deseja e realiza todos os seus propósitos. A diferença que podemos perceber entre os que dão certo e os que nem tanto, tem a ver com a atitude que o indivíduo coloca em relação à tudo que faz. Essa motivação, essa capacidade de fazer a diferença, é a base da construção do sucesso. Fica evidente que o gerenciamento do talento, a aplicação de esforço e o aproveitamento inteligente de oportunidades são imprescindíveis, mas é a motivação a argamassa que liga tudo isso e dá a consistência necessária para a construção de nossos propósitos.

E essa matéria prima só nós podemos colocar em uso. Afinal, como disse Henry Ford, “se você acredita que é capaz, ou se acredita que não é capaz, de qualquer forma você tem razão”. Em que você acredita?

Conheça mais sobre o trabalho de Dulce Magalhães

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br

Clareza e Certeza

Há momentos na vida em que somos convidados a tomar decisões e rever processos.De tempos em tempos isso ocorre e vamos nos aperfeiçoando, mas volta e meia caímos na mesma angústia frente a decisões grandes e importantes.

O duro de uma escolha não é somente eleger o que queremos, mas abrir mão de tudo o que não foi escolhido. Então, para facilitar o processo fazemos lista de prós e contras, conversamos com amigos, mentores, especialistas, lemos a respeito do assunto, perdemos horas de sono revirando o tema na cabeça, voltamos a conversar com as pessoas mais diretamente envolvidas, e assim seguimos, nesse espremer, torcer e remoer, parav er se daí tiramos o suco da certeza. E a certeza não nos dá garantia de nada, é apenas um estado de alívio que nos tira da angústia, pois o mais difícil foi feito, que é tomar a decisão. O fato de alcançarmos a certeza não quer dizer que vamos acertar, nem que não haverão percalços.

Absolutamente, não é esta a finalidade da certeza, mesmo que fosse o que mais desejávamos. A certeza é apenas o final de um processo de eleição, quando, finalmente, temos a confiança suficiente para dizer a nós mesmos que determinada opção é a melhor para nós neste momento.

Uma decisão baseada na certeza não nos isenta de nada, não nos garante nada, não nos protege de nada. E está tudo certo que seja assim, pois assim é a vida e seus caminhos. A certeza é apenas uma forma mais convicta de lidar com a dúvida, não de eliminá-la. Sendo assim, buscar a certeza é natural, porém não é definitivo, nem nos libertará de todas as dúvidas ou dificuldades. Isso só a clareza poderá fazer e aí já é outra história. A clareza é fruto do insight, este estado de entendimento que não deixa margem à dúvidas e que denominamos de óbvio. É algo tão contundente que quando finalmente enxergamos ficamos surpresos de não ter percebido antes, pois não é a melhor da alternativas, é o caminho único e reto.

Óbvio é tudo aquilo que está oculto pela barreira de nossos paradigmas, de nossos modelos mentais, então olhamos a realidade pensando a partir de pressupostos sobre como deve ser, enquanto o óbvio está bem ali na frente dos olhos, mas não se enquadra em nossa definição e portanto não percebemos. Contudo, o fato de ser invisível não quer dizer que não exista. Pergunte a qualquer pássaro que tenha atropelado uma vidraça. Somos atropelados pelos processos invisíveis, porém palpáveis da vida, e não temos a menor noção do que sucedeu. Ficamos aturdidos com os processos, as alternativas, as decisões, as mútliplas oportunidades e desafios, e não percebemos que esse aturdimento é porque acabamos de topar de frente com uma barreira de óbvio que ainda está invisível.

É só quando nos permitimos olhar sem querer enxergar o que achamos que deve estar lá, quando nos abrimos para a possibilidade de ver o que estiver na frente, sejá lá o que for, é que enxergamos o óbvio.

A certeza é fruto de um processo racional, de análise, de estimativas, de comparações e de pesar entre possibilidades que podem nos apontar o melhor padrão, processo, caminho ou método. Desta forma, poderemos chegar a algum nível de certeza. Já a clareza vem do insight que é fruto da consciência, da percepção expandida, da intuição que nos permite saber mesmo sem conhecer. O conhecimento pode nos levar à certeza, é o caminho do entendimento racional, mas só a intuição pode nos conduzir ao insight, à percepção do óbvio, quando finalmente sabemos qual é caminho seguir, sem mais dúvidas, sem mais angústias.

O exercício intutitivo é o próprio processo criativo da vida, é dessa forma que renovamos o cabedal de padrões e nos liberamos para novas possibilidades de mundo. Se isso não parece óbvio é porque precisamos experimentar mais da intuição para perceber que as respostas já estão prontas, o mais difícil mesmo é formular a pergunta e se abrir para encontrar o que não está em nossa lista de visões e padrões. Talvez valha recordar um antigo e sábio conselho: há que ter olhos que vêem e ouvidos que ouvem.

 

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br

4 Segredos para se Apaixonar pelo seu Corpo

“Eu sou linda simplesmente porque você me faz feliz”, “Você me faz sentir uma princesa com esse seu olhar”…
Será que você também se sente linda quando são os seus olhos que te olham e não os de outra pessoa? Será que você se faz sentir especial, ou depende sempre de outra pessoa?

A verdade é que muitas pessoas em todo o mundo estão descontentes com a reflexão que vêm no espelho. Um sentimento de inadequação e auto-aversão pode ter entrado nos seus subconscientes durante toda a sua vida por influências externas, culturais e sociais.

Mas você já olhou verdadeiramente para si mesma? Alguma vez você já pensou em como verdadeiramente surpreendente o seu corpo está e as muitas coisas maravilhosas que seu corpo pode fazer?

Há uma beleza genuína no corpo se ele está esculpido, tonificado, a curto / alto, grosso ou fino. E as pessoas que não se encaixam nese padrão, porque estão acima do peso ideal, ou simplesmente devido à sua genética sentem-se na maioria das vezes miseráveis quando se deparam com a sua própria imagem.

Homens e mulheres têm problemas com a imagem corporal. Talvez você é um cara que sente a pressão para aumentar a massa muscular para ser considerado atraente? Ou talvez você é uma mulher que se sente a necessidade de ser magra e definida para ser “bonita”?

Mas saiba de uma grande verdade: Seu corpo é muito mais precioso do que você pensa e você provavelmente nunca deu-lhe crédito.

Você gostaria de ver o seu corpo para o que ele realmente é – uma incrível máquina, perfeita e digna? Vos convido a se apaixonarem por seu corpo usando estes 4 segredos que vou compartilhar com vocês logo abaixo. (Eu, pessoalmente acho que o quarto segredo é o mais importante.)

Segredo 1: Você não é vaidoso, se você olhar no espelho mais de 10 segundos. Pegue um espelho e olhe cuidadosamente para seus olhos, as pernas, os ombros, a boca, o estômago, suas sobrancelhas, o nariz, suas mãos, seus cílios, seu cabelo, seus braços, seu queixo, suas coxas, seus quadris, seu bumbum, suas orelhas, seu pescoço, suas costas, seus bezerros … e tudo mais!

Concentre-se em um recurso que você gosta (ou estão prontos e dispostos a aprender a gostar) e sorrir como você examinar e admirar. Poderia ser tão simples como a desonestidade de seu sorriso, a curva de seus quadris ou a amplitude de seus ombros. Seja o que for, sorrir e abraçá-lo. Sussurrar para si mesmo usando um “eu” declaração como se o que você está prestes a dizer é um achado único e exclusivo. Por exemplo, “eu tenho os olhos bonitos.”

Segredo 2: Não há problema em concordar com os elogios que lhe foram feitos pelos outros. Você pode praticar dizendo um simples “obrigado” quando alguém lhe faz um elogio. Não Não subestime ou questione o elogio. Basta dizer “obrigado”.

Faça uma “Lista de amor próprio” relatando as observações positivas que você recebeu em relação a qualquer dos seus atributos, olhe para essa lista e desafie-se a si mesmo para aprender a amar e concordar com pelo menos uma delas. Leve esta lista com você em sua carteira, bolsa, telefone ou no bolso, para que possa reler estas belas palavras frequentemente. O objetivo é fazer com que essas palavras amáveis se tornem a ​​sua realidade.

Desenhe um esboço de sua mão e coloque os 5 elogios que se identificam mais com você em cada dedo. faça cópias deste exercício e coloque em áreas onde você vai vê-lo regularmente, como seu espelho do banheiro ou geladeira.

Segredo 3: Encontre uma atividade agradável que libere suas endorfinas e que ajude a trabalhar sua auto-confiança. O exercício ajuda o cérebro a liberar substâncias químicas que produzem alívio da dor e uma sensação de alegria e felicidade. Quando você está “se sentindo bem”, a sua auto-confiança começa a tomar forma. E quanto mais você se sentir confiante, melhor você sente sobre si mesma e sobre seu corpo.

Além disso, quando você treina você estará ajudando o seu corpo a ser saudável. Seja gentil com seu corpo pois ele é agredido cada vez que você o maltrata, privando-se descanso necessário, exercício e nutrientes.

Segredo 4: Use sua mente para superar todos os pensamentos negativos. Pense em todas as coisas que seu corpo pode fazer: caminhar, respirar, abraçar, tentar, executar tarefas, procriar, ouvir, proteger, dançar e muito mais. Seu corpo tem a capacidade de curar a si mesmo desde de pequenos arranhões para doenças graves desconhecidas. Seu corpo pode proporcionar-lhe prazer e criar uma nova vida.

Seu corpo lhe permite trabalhar, rir, viver e desfrutar dos seus dados presentes Deus. Pense em todas as coisas magníficas seu corpo pode fazer e seja GRATA. Desfrute do corpo em que você vive. Como diz Jim Rohn, “Cuide do seu corpo. É o único lugar que você tem que viver.”

Fonte: fitlife.tv

Melissa Corrêa
Melissa Corrêa
Designer, Marketeira, melissacorrea.niponica.net

Tristeza em Rosa e Azul

Pensei em escrever sobre a alma feminina e a tristeza que muitas vezes lhe invade o peito. Decidi intitular de “Tristeza Cor de Rosa”, quando me dei conta que a expressão só reforçava estereótipos que precisam ser combatidos, estereótipos de comportamentos que não condizem com a realidade. Afinal, quem disse que rosa é cor de mulher? Minha mãe prefere azul e eu prefiro branco… De igual modo, quem disse que tristeza é coisa da alma feminina?

Tristeza é ponta de flecha que não escolhe gênero, entranha igual não importando o nome, o endereço, a cara.
Não há como evitar as tristezas de entrarem no lar da alma, mas somos nós que a convidamos (ou não) para sentar, tomar café, e, muitas vezes, passar verdadeiras temporadas. As tristezas são bem-vindas, mas precisam saber a hora de ir embora. Já para as alegrias, nem pensar em fazer visita de médico. Venham e fiquem, se instalem para sempre. Na noite tristeza é óculos escuro, alegria é clarão do luar.

Tristeza é a mais perfeita prova da teoria de Einstein. Quando entra com tudo, é absolutamente interminável. Temos plena certeza de que “Jamais passará”. E quando finalmente passa, nos damos conta de que, afinal, não foi tanto tempo assim. Pensemos: na eternidade de nossa existência humana, as tristezas não são mais que pequenos pontos que se esvanecem. Já as alegrias, ah, as alegrias, são nós firmes unindo as linhas de nossos passos numa jornada de felicidade.

O segredo é receber a tristeza com certo distanciamento, olhar para ela com cautela, certificar-se que ela não se avolume, analisá-la buscando a medida certa e, com isso, encontrar a dosagem certa do remédio que muito bem pode ser apenas o tempo.

Já para a alegria, a ideia é agirmos como um imã, é ter um novo olhar sobre tudo. Homens e Mulheres, repensando nosso modo de ver e viver cada momento, cada pessoa. Não se trata de riso exagerado nem de euforia tola. Se trata de respirar fundo, inundando o peito com tranquilidade, de inalar perfume de flor, perceber o arco-íris, sentir o sorriso. Permitir-se ser feliz! Sim, permitir-se porque é uma escolha sua, minha, nossa!

Então, sejamos felizes!

Liese Cavalcanti, mãe, avó, mulher apaixonada e pensadora
Liese Cavalcanti, mãe, avó, mulher apaixonada e pensadora

Como virar o jogo em 10 passos

Este método se aplica a várias áreas da vida, como relacionamentos, finanças, saúde, carreira, estudos, equilíbrio emocional, ambiente físico,…

Quantas vezes você se sentiu rejeitada? Quantas vezes você se sentiu incapaz? Quantas vezes você se odiou por estar naquela situação financeira ou num relacionamento que maltrata, ou por não ser ‘bonita’ igual modelos de capas de revista ou por ter descuidado de sua saúde? Quantas vezes, até inconscientemente ,você pedinchou amor, suplicou atenção e elogios? Quantas vezes você deixou seu amor-próprio de lado para manter alguém do seu lado? Quantas vezes, para ser aceita, você se violentou ou deixou ser violentada? Quantas vezes você recusou um convite para sair porque tinha que fazer entregar um trabalho, cuidar de filhos ou fazer uma faxina? Quantas vezes você sentiu medo de não ser boa o suficiente?

Primeiro: Reconheça e Aceite seus Limites.
Reconhecendo e aceitando seus limites você aprende e cresce! Reconhecer e Aceitar difere de se resignar, pois resignar é parar no tempo e isso leva à autodestruição. Aceitar é o primeiro passo para a transformação e lembre-se “Quanto mais você resiste, mais a situação persiste!”

Segundo: Identifique suas Crenças.
Não me refiro no sentido religioso, mas sim….naquilo que você acredita sobre os diversos temas da vida. Ex.: O que você ouviu falar sobre dinheiro? Que dinheiro é sujo, que dinheiro não traz felicidade ou ainda “nossa família sempre foi pobre”? E sobre o trabalho? Que é deve ser penoso, que é luta, que todo chefe é um “chato”? E o que você ouviu falar de amor próprio na sua infância? Será que o seu conceito não está associado a ser egoísta, egocêntrico, se achar “a dona da verdade”? E quais as suas crença sobre o sexo? Que é feio, dolorido ou leviano? E o que você ouviu falar sobre relacionamentos? Que nenhum homem presta, que todo relacionamento é difícil? Tire um tempo para refletir sobre todas as historias que você ouviu e que você passou a acreditar.

Terceiro: Seja Honesta e Realista consigo mesma.
Isso é verdade mesmo? Você realmente acredita isso? Acreditar nisso tem lhe ajudado ou lhe prejudicado? Atenha-se apenas à realidade imediata e concreta. Olhe a realidade como ela se apresenta. Ter a perspectiva real sobre os fatos pode muito favorecer você diante de situações difíceis. Ser realista é não superestimar e nem subestimar uma determinada situação. Qualquer um dos extremos pode levar você a uma interpretação equivocada da realidade dos acontecimentos e, consequentemente, gerar impactos negativos em suas decisões..
As dicas são:
1. Pare de se cobrar a realidade do “comercial de margarina”! Se acolha, se colha! E tudo parecerá uma dádiva
2. Se conecte com o que existe (e não com o que não existe)! Especialmente quando se refere a sua própria realidade e o seu estado atual.

Quarto: Saiba dizer Não.
Desde criança desejamos ser aceitos, amados e reconhecidos. E talvez por estar implantado em nossas memórias que “se alguém não gosta de nós é porque fizemos algo de errado”, por isso preferimos dizer Não a nós mesmos para termos a ilusão de que todos nos amam e com isso temos paz! E assim acabamos desenvolvendo a nossa dificuldade de dizer NÃO quando é não e dizer SIM quando é sim. Desafio você a, a partir de agora, se habituar a falar a verdade na hora certa, no tom de voz certo, sem ter a necessidade de agradar, de ferir ou de desrespeitar o outro. Tendo domínio do assunto e das emoções, seja claro sem ser agressivo, usando corretamente a linguagem (seja verbal, escrita ou corporalmente), diga o precisa ser dito de forma respeitosa e não postergue para dizer quando você já está com os nervos à flor da pele e nem sabe mais o que de fato deseja em meio ao turbilhão de emoções que está sentindo! Impondo limites, virá a tona um sentimento de respeito e valorização, afastará relações nocivas, atrairá relacionamentos mais saudáveis e é a melhor forma de manter nossa energia. Então… Que “nãos” você precisa dizer para os outros para dizer SIM a você mesma? Você está dando mais que recebendo ou está recebendo mais que dando? Ambos estão em desequilíbrio!

Quinto: Desapegue.
O desapego entendo que seja difícil, pois requer o enfrentamento corajoso do que fizemos de nossas vidas, do que somos e sentimos, e encarar nossas escolhas do passado. Muitas vezes se faz necessário dizer adeus ao amor que já deixou de acelerar nossos corações, que já não sorri quando nos vê, que não nos dá as mãos, pois não caminha ao nosso lado. É necessário despedir-se do que deixou de ser amor, nem amizade, nem conforto, tampouco troca ou cumplicidade. Muitas vezes temos que dizer adeus à amizade que já deixou de fazer falta, que não tem tempo de nos ouvir e animar, que já não aparece em busca de conselhos, nem quer saber de nossas vidas, que não acrescentam, que nos diminuem, que nos trocam facilmente, que usam nossos segredos contra nós, puxam nossos tapetes, esgotam nossas energias.É necessário despedir-se do que e de quem nos fere, no corpo e na alma, dos incomodos, dos xingamentos, das noites insones, da violência alheia, da ânsia pelo fim do expediente, pelo fim do dia, à raiva contida, às ofensas engolidas, aos desvios de caminhos, aos projetos não realizados, aos sonhos que não acordam!

Quinto: Se perdoe.
Perdão vem do latim perdonare (per – total / donare – entregar, doar). É, sem duvidas, uma das principais habilidades que somos desafiados a treinar. Assuma e corrija os seus erros procurando tornar certo o ocorrido, justamente por agora entender que o erro, via de regra, nasce de pensamentos contaminados de memórias dolorosas do passado e de condicionamentos. È esta a entrega, a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Na verdade “perdoar é libertar o prisioneiro e descobrir que o prisioneiro era você.” (Robert Muller). A pessoa que não perdoa ao outro, geralmente é a mesma que não perdoa a si mesmo. Então diga para você mesma em voz alta: “Eu me perdoo, eu estou perdoada e eu estou livre!” E observe o que sente depois. Carregar mágoa (do latim macula – mancha) é esforço desnecessário. Mas a escolha, de fazer esta entrega total e o momento, é seu! Vista sua alma de amor, expulse o rancor do seu peito e proponha paz, em especial para si mesma. O que você precisa perdoar em si?

Sétimo: Torne Realidade os seus Sonhos.
Tenha uma “fotografia” (nos mínimos detalhes) de ONDE, QUANDO ,COM QUEM quer estar, um POR QUE só seu e convincente (pois só o dinheiro não sustenta uma meta) e O QUE deseja ganhar com isso. “Quem tem um “porquê”, suporta qualquer “como”.
Algumas dicas:
1. Escreva o que deseja ( pois o cérebro assimila melhor),
2. Ter uma data (limite temporal). Se você perceber que não irá atingir… sem problema se não alcançar, basta colocar outro prazo!
3. Você precisa DESEJAR mais do que querer! Querer pouco é uma afronta ao que você deseja realizar. Quem quer mesmo, quer muito. Vontade rasa não realiza nada.
4. Que preço você está disposto a pagar ou do qe você irá abrir mão.
5. Cheque se não existe nenhuma resistência ao que você deseja dentro de você!
6. E ao final, comemore as etapas vencidas! Sonhos, ao mesmo tempo deliciosos, precisam ser protegidos e são trabalhosos. Eles estão diretamente relacionados ao legado, ao propósito de vida e à construção do futuro.
Contudo, por vezes, somos nós mesmos que criamos os maiores obstáculos que nos impedem de alcançar nossos sonhos: então que tal você pedir licença para você mesma e sair de sua frente?
Quais os seus três maiores sonhos?
Por que ainda não foram realizados?

Oitavo: Comece com o que tem.
Entenda que você tem, junto de si – agora mesmo – TUDO que você precisa para lidar com qualquer coisa que o mundo mande em sua direção. Toda vez que o inconsciente está elaborando algo, atraímos para nossas vidas pessoas que, interiormente, tem os fragmentos das respostas que buscamos. Uma citação muito interessante de Anthony Robbins me vem à mente: “O passado não importa. Qualquer coisa que não tenha dado certo no passado nada tem a ver como o que você fará agora. E o que você faz neste momento é o que vai moldar o seu destino”.

Nono: Adote um(a) Mentor(a)
Sempre precisamos de alguém que fez na nossa frente para nos inspirar. Todas as grandes pessoas da história tiveram mentores. Eu pessoalmente acho Chique e Sábio ter um(a) mentor (a). Aprendemos com os acertos e com os erros. Mas é infinitamente mais fácil e rápido aprender com os erros e acertos dos outros. A escolha é sua! Busque uma pessoa que você admira, respeita e simpatize. Quanto melhor for a ligação emocional entre vocês, mais fácil é o aprendizado. Escolha alguém que sabe fazer muito bem aquilo que você deseja aprender a ser, fazer ou ter. Mas seja precavido com os mentores que se auto promovem muito. Simplesmente escolha alguém que lhe inspire e lhe motive a fazer tudo que você é capaz de fazer. Você já pensou na idéia de ter um(a) mentor(a)?

Décimo: Se ame.
Aprenda a amar o seu cabelo bagunçado, o sorriso torto, as olheiras profundas, os dois quilos a mais, as falhas na sobrancelha, as celulites, os peitos um pouco caídos talvez, cintura não talvez não tão fina. Deixo aqui um exercício poderoso. Vá até o espelho, se olhe e namore os seus detalhes. Os seus pés, o tornozelo, as coxas, a cintura, os seios, os braços, as mãos, o rosto, os olhos, o formato da sua boca, e até as pontas duplas do meu cabelo. A segunda etapa é fixar os seus olhos no espelho e se olhar por dentro. Pois procurar fora é reconhecer que não se tem dentro!!! A terceira etapa é agradecer pela linda casa que você mora e nem precisa pagar aluguel para morar nela! Tudo, inclusive a beleza, está nos olhos de quem vê. E nada abala o que é SEU por merecimento. A autoestima se adquire a partir do autoconhecimento e do autorespeito, fazendo com que nos desvencilhemos de situações que possam nos machucar, nos desvalorizar e nos fazer sentir dor. Ter auto-estima não é ser dona da verdade e não pedir ajuda, isso é arrogância. Ter auto estima é simplesmente você se aceitar, se apreciar e apreciar sua própria companhia. “Quem não gosta de estar consigo mesmo, em geral está certo!” (Coco Chanel).

Compartilhei aqui algumas dicas para você viver uma vida plena. CONTE COMIGO, estou à disposição para lhe auxiliar a chegar num outro nível. Entre em contato comigo pois tenho muita coisa incrível para pode lhe ajudar a acelerar o caminho rumo ao sucesso. Finalizo manifestando a minha gratidão a você, pois é você quem me continua e me inspira na minha missão de contribuir na construção de um mundo mais próspero e saudável. Espero também ter lhe inspirado de alguma forma!

Beatriz Guenther, é graduada em Administração na Universidade Federal de Santa Catarina, pós graduada em Finanças pela Fundação Getulio Vargas/ RJ e em Desenvolvimento Gerencial pela FAE/Curitiba. Em seus 20 anos de experiência profissional atuou na área financeira e administrativa em empresas de diversos setores e de diferentes portes, sempre envolvida com equipes de alta performance e comprometidas com resultados.Em 2011 fez sua formação em Mentoring & Coaching e desde então atua como COACH de Liderança e Autoliderança presencialmente e online, com atendimentos individuais.

Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança
Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança

Luz e Sombra

Todas temos habilidades e dificuldades na mesma medida e de forma complementar. Uma pessoa rápida no pensar e no agir, pode ter como sombra a impaciência. Uma pessoa lenta na tomada de decisões, pode ter como luz a ponderação e a determinação.

Tudo no universo está em correspondência. Quando descobrimos nossos ângulos sombrios fica mais fácil descobrir nossa luz, nossos talentos. Além disso o que pode representar um defeito ou dificuldade para um, pode significar um talento para outro. Nenhum rótulo é definitivo.

O importante é ter a clareza das correspondências. Se há algo que não apreciamos em nosso comportamento ou resultados devemos ampliar nosso olhar e verificar qual a qualidade correspondente. Nosso foco deve ser no aprimoramento de nossa qualidade e não na eliminação da dificuldade.

Tudo bem que a gente precisa melhorar nos aspectos de nossa psique que estão dentro da sombra. Nos tornarmos mais tolerantes, mais responsáveis ou mais pró-ativos, ou seja lá o que for que tenhamos que melhorar, ao invés de nos acomodarmos em determinados comportamentos e repetirmos como justificativa que somos assim mesmo. Contudo, esse não deve ser nosso foco, nem onde colocar nosso maior empenho e dedicação.

Precisamos é mapear nossa luz e fazer com que seu brilho chegue ainda mais longe. Todos temos um pacote de talentos que precisam ser descobertos e desenvolvidos. Essa é a tarefa essencial no campo da vocação. Determinar quais qualidades são as mais evidentes e especiais em nós, por si só já representa uma nova forma de atuação.

Diagnóstico é a base para todo processo de mudança e aprimoramento, inclusive de nossos dons. Conhecer é o melhor método para transformar. E auto-conhecimento é o meio para desvendar o caminho da auto-realização.

Para descobrir dons e talentos é preciso se colocar em ação, testar suas habilidades, perceber as dificuldades, olhar para si mesma e compreender mais do processo pessoal. Passamos grande parte do tempo apontando para fora e desejando que as pessoas ao redor se modifiquem, contudo o que faz mais diferença no processo de nosso sucesso é nossa própria mudança.

Não precisamos ter medo de identificar e reconhecer nossas sombras, ao contrário, é muito desejável que assim seja, pois este é um caminho reto para identificar e reconhecer nossos talentos. Quando me dou conta de minhas dificuldades estou mais próxima de identificar minhas qualidades.

É importante levar nossa sombra para passear ao sol, ou seja, torná-la visível para nós mesmas. Esse ato em si já dissolve qualquer peso e clareia muitos processos. Ao percebemos que o desafio é interno, que a mudança exigida é a nossa, imediatamente os talentos necessários se apresentam. Há uma perfeição em todo o processo que só depende de nossa aceitação. Descubra sua sombra e sua luz se revelará. Reflita sobre isto. Suerte!

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br

Gestão de Talentos

A gestão de nossos talentos é a tarefa essencial para a construção do sucesso. Devemos nos tornar a pessoa certa atuando no lugar certo. Temperamento e vocação são mais importantes na utilização de talento do que formação técnica ou experiência. O talento é um elemento não mensurável, não tem cor ou consistência e as pessoas apenas desenvolvem talentos, não os adquirem. Assim ninguém será um grande músico ou bailarino, mesmo treinando horas seguidas, se não tiver o elemento talento para compor seu desempenho. Por isso se explica só termos tido um Mozart ou um Van Gogh. Talento é diferencial por ser único, intransferível e indispensável. Reorganize sua atuação dentro da organização em que trabalha e encontre outras formas de contruibuir para o sucesso coletivo, esse será o caminho para o sucesso individual. Tenha um consistente plano de educação, que lhe permita pensar de forma abrangente, usar sua criatividade, desenvolver interesses diversos e a imaginação, além do treinamento técnico. Outro elemento importante no fomento de talentos é o ambiente. Atue no sentido de criar um ambiente de aprendizagem, colaboração e motivação ao seu redor. Isso atrairá outras pessoas talentosas para sua esfera de atuação e a soma de talentos produz sucessos extraordinários. Mudança, flexibilidade, agilidade não são atribuições de um produto ou linha de produção, são atributos humanos. Pensar com a mente, ver com os olhos, perceber com a intuição, são as condições si ne qua non no novo ambiente empresarial. Nenhum equipamento poderá substituir estas capacidades e gerar idéias criativas e soluções práticas. É chegado o momento de atuar com pessoas, ao longo da curta história empresarial, se buscou com muito afinco a empresa que funcionasse sem seres humanos. Uma organização enxuta, afinada, funcionando ininterruptamente a baixíssimos custos. A verdadeira utopia da máquina. Entretanto quem é que vai querer um mundo destes? Todos querem pertencer a uma tribo, participar da construção de sua sociedade, usufruir de direitos que derivam de deveres. A gestão de nossos talentos não deve ser terceirizada, delegada à organização, à escola ou a um departamento. Essa é nossa tarefa, nossa responsabilidade. É preciso fazer um diagnóstico e reconhecer nossos pontos fortes e nossas vulnerabilidades. A partir daí elaborar um plano educacional para aperfeiçoar as qualidades e diminuir ou eliminar as dificuldades. É preciso investir no desenvolvimento pessoal. Uma nova visão supera e elimina antigos paradigmas. Assim se dá a reciclagem permanente do mundo. Vamos dar um salto para vivenciar com audácia os desafios que se apresentam a nossa frente. Urge mudar, mudar e mudar. Isto só será possível se aprendermos a compartilhar com outros indivíduos os problemas e as vantagens deste maravilhoso mundo. É o sucesso colocado a serviço do bem comum. Reflita sobre isto. Suerte!

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br

Encontre uma Mentora

Uma grande mentora pode facilitar uma performance de excelência sob sua tutela, exercendo uma influência decisiva para a auto superação e a confiança em vencer obstáculos. Esse ambiente interno de auto-estima é que nos possibilita correr mais riscos e desafiar limites para obter um desempenho acima da média.

Uma boa mentora tem a capacidade de educar pessoas e facilitar os meios para que ela tenha um comportamento pró-ativo. Dar espaço para a ação, encorajar nos erros, comemorar os acertos e indicar caminhos de melhoria. Sendo assim, vale a pena investirmos na identificação e na partilha com alguém que possa atuar como mentora em nossa trajetória pessoal e profissional.

A atividade de mentoring tem a ver com a individualização das necessidades. Reconhecer que cada pessoa é única e oferecer diferentes desafios e recompensas é um exercício danado de difícil, contudo é a atribuição mais expressiva da mentoria. Não desenvolvemos pessoas de maneira heterogênea, assim não há porque massificar a distribuição do conhecimento ou entender todos os desafios da mesma forma.

Os princípios para se identificar uma mentora, ou mais de uma, são simples, porém nem sempre fáceis de assimilarmos e trabalharmos sob orientação. Temos dificuldade de reconhecer nossos limites e, por vezes, sofremos por não nos abrirmos para a guiança de uma mentora, líder ou professora.

Uma mentora é alguém que admiramos por seu caráter, sua conduta coerente, sua performance e seus resultados. Certamente há pessoas ao seu redor com este perfil, contudo, muitas vezes, rechaçamos a ajuda desta pessoa ou evitamos uma aproximação por temor de termos nossas fragilidades identificadas. Entretanto, esse é o papel máximo da mentora e muitas pessoas estão disponíveis para ajudar quando são solicitadas.

Uma verdadeira mentora não é aquela que nos diz o que devemos fazer, mas nos ajuda a desenvolver a capacidade de pensar por nós mesmas e até influenciar outras pessoas para uma melhor performance. Mais do que oferecer respostas, uma mentora é aquela que nos instiga a perceber a realidade através de perguntas e nos indica caminhos para que possamos encontrar nossas próprias respostas.

Contudo, o maior desafio não é identificar nossas mentoras, mas nos rendermos à oportunidades de sermos orientadas, provocadas em nossas certezas, de termos abertura para esmiuçar comportamentos e atitudes e até sermos criticadas em uma avaliação pragmática, quando na maioria das vezes queremos que nos dêem razão e aprovação. Esse não é o papel da mentora. Haverá celebração, porém nas verdadeiras conquistas, aquelas em que superamos nossos limites e rompemos com padrões estreitos que só nos levam a conflitos, dificuldades e um sentimento de vitimização.

Um relação de mentoring nos levará a um grau maior de liberdade, performance e resultados, pelo simples fato de nos fazer caminhar pela trilha do auto-conhecimento e encontrar os preciosos tesouros de nossos talentos para colocá-los em prática. Reflita sobre isto. Suerte!

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br

 

É no Tempo que fazemos tudo acontecer!

Tempo nada mais é do que um processo mental. Todos já vivemos a experiência de aguardar por cinco minutos, que nos pareceram horas, ou ter uma hora para terminar algo extenso, e esta uma hora passou como se fosse poucos minutos. Tempo depende portanto de organização mental. Eleger prioridades e aplicar disciplina para sua execução.

Priorizar significa tomar decisões, escolher entre alternativas. Precisamos construir o hábito de priorizar atividades em nossa vida. Tudo o que fazemos é resultado de hábitos que possuímos, assim se quisermos alterar nosso uso do tempo, temos que mudar nossos hábitos. Planeje sempre o seu dia, porém não se esqueça de deixar 25% não planejado para imprevistos, pois eles acontecem.

Habitue-se a ter tempo! Nossa cultura popular nos faz acreditar que só estamos produzindo bem, quando usamos todo o tempo disponível. Temos que rever nossas crenças e ter tempo para refletir, organizar, pensar e relaxar. Assim estaremos com equilíbrio suficiente para saltar de problemas para soluções. Ao planejar estabeleça critérios de prioridade, como por exemplo: essenciais (precisam ser feitas), complementares (atividades para delegar), desejáveis (se não forem feitas não atrapalharão em nada).

Não esqueça de planejar atividades pessoais como ir à academia, sair com os filhos, estudar, atividades de lazer, etc. Se não nos condicionarmos a ver nossa vida como um todo, corremos o risco de perder boa parte dela. Cuidado também com a protelação, não deixe nada para depois, comece e termine. Todas as pendências que permitimos em nossa vida acabam usando um tempo em nossa mente e impedem que nossas atividades fluam com o ritmo desejado.

Dentro do possível não deixe nada pendente. Trabalhe com cronograma e estabeleça uma data alvo anterior ao limite que você possui. Para desenvolver a tomada de decisões é importante realizar o descarte: eliminar objetos e papéis que não se usa mais. Porque temos que estar mais leves e livres para viver nossa vida. Tempo e vida são sinônimos.

Faça uma experiência, troque a palavra tempo de suas frases corriqueiras pela palavra vida, por exemplo, quando você diz: “Não tenho tempo para isso agora.”, você na verdade está dizendo: “Não tenho vida para isso agora.” Pense com profundidade nesse conceito e muitas das suas decisões ficarão mais fáceis e sua vida mais fluída.

Por fim, o passo mais importante na boa gestão do tempo: diga SIM para o que você quer e NÃO para o que não quer. A gente vive fazendo o contrário, assumindo compromissos que não desejamos e abrindo mão de atividades que queremos viver. O uso do tempo é o resumo da qualidade da vida. Ao fazer um bom uso do tempo você está construindo todas as condições para desfrutar de uma boa vida. Reflita sobre isto. Suerte

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br