Podcast Questão de Mulher #16 – O Direito de Escolha!

Para começar a segunda temporada do Questão de Mulher, Shideh conversa hoje com Roselane Neckel, uma mulher de fibra que faz e acontece e superando muitos desafios, chega a reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Um desafio a altura de uma mulher a altura! Não perca essa ótima conversa sobre o empoderamento feminino!

[toggle title=”Acesse nosso canal no Youtube”]

youtube

[/toggle]

[toggle title=”Assine e entre em contato”]

FEED, RSS e iTunes (Podcast): Clique aqui!

Página no iTunes: Clique aqui!

Aplicativo Android: Clique aqui!.

Sugestões:
Envie e-mail para: shideh@questaodemulher.com.br ou clique aqui. [/toggle]

 

Mulheres x envelhecimento: um papo sobre beleza

Chegar aos 60 anos e se aposentar não é necessariamente a realidade das mulheres que estão chegando agora à maturidade. Apesar de elas ainda serem vistas erroneamente como um borrão sem nuances, com estereótipos e preconceitos, há um grupo de mulheres que estão reinventando o envelhecimento. A jornalista Marcia Neder explora esses temas em seu novo livro, “A Revolução das Sete Mulheres”, que estuda o perfil das baby boomers, mulheres que nasceram entre 1946 e 1964. São as mesmas que protagonizaram a revolução feminina do século 20: entraram no mercado de trabalho, derrubaram tabus, tomaram a pílula anticoncepcional e se tornaram independentes. Agora, na terceira idade, elas continuam transgressoras, com autonomia conquistada e poder aquisitivo invejável.
“A mulher que chega hoje aos 50 ou 60 anos continua empreendedora, produtiva, bem cuidada e superativa. Ela não está interessada em descansar”, diz Marcia, em entrevista exclusiva ao Adoro Maquiagem. A autora atuou como repórter da Rede Globo e, durante três décadas, cobriu o universo das revistas femininas na Editora Abril. Dirigiu as revistas “Nova” e “Claudia”, e atuou como publisher de títulos como “Elle”, “Estilo”, entre outros. Acompanhou de perto a transformação da condição da mulher no Brasil e no mundo, na segunda metade do século 20. Veja o que ela tem a contar a seguir.

livro - a revolução das 7 mulheres
No livro, você aborda sete perfis femininos de representam a geração 50+ e 60+. Como são essas mulheres?

Primeiro, temos a “realizadora”, que é a mulher empreendedora. Ela montou uma grande corporação e quer usufruir de suas conquistas, mas está preocupada em escolher alguém para tocar o legado dela. A “desbravadora” é a mulher que venceu no mundo masculino. Ela chegou ao topo de uma empresa que era de domínio masculino e fez isso por competência técnica. A “formiga” é aquela que veio de origem humilde e trabalhou muito para vencer na vida. Ela não se interessa por supérfluos, mas gosta de tudo o que é bom. É uma pessoa prática. A “equilibrista” fez muito sucesso e ocupa um alto cargo, porém não conseguiu juntar dinheiro. Essa mulher é culta, preparada e mora bem, mas não tem muitas economias. A “fênix” é a mulher que teve um grande baque no meio da vida e perdeu tudo. Ela chega à maturidade com a vida reconstruída, num momento muito bom. Ela deu duro e agora vai usufrir o que reconquistou. A “comandante” é o eixo da família. É uma profissional de sucesso e, ao mesmo tempo, comanda a estrutura do núcleo familiar. Sem ela, o grupo desmorona, e ela se preocupa com isso. A “exuberante” chega chegando. É amiga de todo mundo. É vaidosa, se cuida e é o centro das atenções. É uma profissional de sucesso, em geral é empresária, empreendedora.

Como você enxerga o futuro dessas mulheres?

Longo, ativo e muito rico. Essas mulheres estão cheias de planos. Estão concretizando sonhos que estavam pelo caminho. Continuam trabalhando, mas mudaram o foco. Por exemplo, entrevistei a Luiza Trajano (a empresária brasileira que comanda a rede de lojas de varejo Magazine Luiza), e ela disse que está saindo do lado operacional da empresa, onde está abrindo caminho para os mais jovens, e está indo para o lado estratégico. Ou seja, parar de trabalhar não passa na cabeça dessas mulheres, elas estão enxergando outra forma de agir. Há uma vibração, uma vitalidade intensa. Elas estão estudando, fazendo cursos que não tiveram tempo de fazer antes.O conceito de velhice se deslocou. Acontece depois dos 80 anos.

Você diz que as baby boomers estão fazendo uma revolução silenciosa no século 21, reinventando o envelhecimento e criando um novo sentido para a maturidade. Que sentido é esse?

O Brasil passa de um país jovem para um país maduro em alta velocidade, porém ele não está preparado, estrutural e culturalmente, para esse envelhecimento. A terceira idade é encarada sem nuances. Os esteriótipos da pessoa velhinha de cabeça branca ou da senhora que quer se parecer com a filha ainda existem. Porém, há uma infinidade de mulheres que são invisíveis aos olhos do mercado de trabalho, da publicidade e da comunicação. As mulheres de 50 e 60 anos da atualidade ainda são empreendedoras. Não querem parar, querem inovar, gerar novos negócios e projetos, desenvolver novas habilidades. Elas estão reinventando a história da mulher outra vez.

Qual é o papel dessas mulheres nessa nova sociedade?

O exemplo que elas estão dando com decisões pessoais é transformador. Por causa delas, emergirá uma nova visão da terceira idade. Esse processo é lento e demorado, mas já está acontecendo. Começou nos anos 70 e deu frutos. Por exemplo, o que a minha geração fez no passado se reflete no fato de que minha filha nasceu com a certeza de que ela é uma igual. Não passa pela cabeça dela que ela precisa provar que é mais capaz do que um homem. E outra, a minha filha, que tem 24 anos, não me vê aos 60 como uma velha. Ela me vê em um momento da vida extremamente rico.

Você diz que as mulheres chegam à maturidade ativas, bonitas e bem cuidadas. Você acredita os produtos de beleza colaboraram para a autoestima dessas mulheres?

Sim. Mas a vaidade dessa mulher não é para não ter rugas, e sim para ter saúde mental. Os produtos de beleza são tijolos nesse todo que é cuidar da saúde. O corpo envelhece mais rápido do que a mente, então elas querem equilibrar esse jogo. Elas adoram se cuidar, passar cremes, controlam a alimentação e o peso, mas pensando na vitalidade. São vaidosas, mas vaidade para elas é ter energia. Gostam dos tratamentos de beleza disponíveis, porém não querem nada invasivo, que as deixem com rostos deformados. O que precisa ser entendido é que essa mulher não quer parecer mais jovem, ela não quer parecer ter 30 anos. Ela está com 60 anos e está muito bem, feliz com o que está realizando. Ela pensa em como vai chegar aos 80 anos.

– Por Larissa Gomes / blog Adoro Maquiagem