As Pílulas Mágicas da Felicidade

Pesquisas mostram que o maior erro das pessoas é acreditar que a felicidade está atrelada à alguma conquista material ou que depende de algo a ser conquistado e assim acabam tendo a sensação de vazio constante, de que falta algo em suas vidas. Assim começam a busca insana por algo que os preencha ou alguém que os faça feliz e assim melhorar o estado de satisfação existencial. Contudo procurar fora é assumir que não se tem dentro! Faz sentido?

A ciêntista PHD Sonja Lyubomirsky da Universidade de Stanford, se dedicou ao tema Felicidade e descobriu uma proporção muito interessante a qual ela chamou de solução dos 40%:
– 50% da nossa felicidade é determinado geneticamente.
– 10% (apenas!) dos nossos níveis de felicidade são determinados pelas circunstâncias ou situações da vida.
– 40% está relacionada com nossos hábitos e comportamentos.

Se não podemos mudar nossa genética e se, na maioria das vezes, também não podemos mudar as circunstâncias que se apresentam na nossa vida, então nossa felicidade é determinada pelas atividades intencionais que podemos desenvolver e aprimorar!

Este assunto é tão decisivo que a Washington University, quer ajudar seus estudantes a fazer mudanças que os levam à felicidade os incentivando a aprender sobre como eles podem afetar sua própria sensação de bem-estar. O professor da disciplina, aconselha, entre outras coisas, à seus alunos que durmam melhor, pratiquem exercícios, além de manter conexões sociais — ao mesmo tempo em que evitam “comparações sociais,” especialmente online.

Por onde começar? Deixo aqui 3 (de infinitas) dicas preciosas:

SEJA FELIZ com o que tem AGORA, enquanto busca o que quer. São pessoas felizes as que enxergam crescimento em tudo, que aprenderam que é importante focar na alegria e o resultado disso é que atraem muito mais situações felizes do que desgraças. O que move uma pessoa é o desejo de progredir e foi por este motivo que começamos a engatinhar, para depois andar e sair pelo mundo. Sempre poderemos melhorar nossa capacidade de aumentar nossas forças em qualquer área da vida, de gerir os nossos pensamentos, nossas emoções e nos comportarmos de forma produtiva e positiva apesar de nossas circunstâncias.

SEJA GRATA(O) A gratidão tem poder da atração. A gratidão vem do latim gratia, que significa literalmente ‘graça’, ou gratus, que se traduz como ‘agradável’. Significa reconhecimento agradável por tudo quanto se recebe ou lhe é reconhecido, genuinamente sem nos tornarmos vinculados, obrigados ou ligados. Está comprovado cientificamente que quem é grato pelo que teve, tem e terá é mais feliz! Gratidão pensada e não sentida tem curto efeito. Para a gratidão ter um efeito prolongado, a dica é apreciar, receber com apreciação tudo que vier como sendo uma graça/benção, em agradecimento ao invés de obrigação.

TENHA SEU PRÓPRIO CONCEITO DE FELICIDADE O seu, e não o que lhe tenha sido decretado, o que a mídia divulga. Mas sim, aquilo que faz o seu coração vibrar! Ouvi de um grande expert que, para termos sucesso, temos que ter metas, mas que, para ser feliz, o segredo é a contemplação e a apreciação! Você já parou para se perguntar o que é felicidade para você? Já refletiu se os conceitos que vêm a sua mente são realmente seus ou se você está reproduzindo algo que veio de alguém? Muita gente vive perseguindo um sonho que nem é o seu e quando, finalmente, o conquista, vê que nada mudou em sua vida. Isso vale para o trabalho escolhido, para o relacionamento, quanto a viagem que tanto almejava fazer e tantos outros eventos da vida. Entenda que pode ser que a sua definição e o seu conceito de felicidade podem estar lhe levando ao fracasso, à autossabotagem e à infelicidade.

Que comportamento ou atitude sua lhe fez/faz/fará feliz no dia de hoje?
Qual o preço que está disposto a pagar? De de que abrirá mão? (Ex.: de estar certa(o), de ser do seu jeito, de como deveria ser, de como deseja se sentir em relação a um fato!) Quem treina e está atento as coisas simples,consegue detectar as coisas grandes com mais rapidez, e com isso já sair na frente! Tudo é uma questão de escolha e pratica. E o que celebrará hoje?

Entenda que a sua felicidade está dentro de você, ela é abundante, como uma fonte. Você nasceu, não só para comer, beber, dormir, se procriar e pagar contas. Mas sim para se conhecer, se desenvolver e deixar sua contribuição e legado. Pois o divino mora em cada um de nós e juntos carregamos todas as alegrias e as dores, todo o bem e todo o mal do mundo e assim formamos a humanidade ( = uma unidade).

Sua fonte secou?
Pode acontecer, todos nós temos ciclos, mas sempre que necessário, vá até a origem, lá no inicio de tudo, perceba do que abriu mão para pertencer, para ser reconhecida(o). para ser aceita(o). Por acaso você confinou seu autoamo, adiou seus sonhos? Confinou sua verdadeira amorosidade? Já fez coisas, aceitou convites com medo de ser excluido de um grupo ( leia mais sobre fomofobia)? Quantos vezes você teve a necessidade de ser onipresente? Ou o contrario: se ausentou e não faz o seu papel? Quantas vezes, nos relacionamentos, você se equilibrou nos extremos? (presença demais X indiferença, pois ambas são atitudes desequilibradas)

A verdade é que somente nos sentimos felizes onde somos amados por aquilo que somos na essência e não na aparência.
Então, a melhor opção ainda é ir a sua fonte, pois quanto mais perto da nascente, mais límpida e pura é a água! E a agua se renova o tempo todo, assim como todos nós. Agora estamos em estado liquido, hora sólido, ou gasoso. O importante é ser feliz em todos os estados.

Em que fonte você está se abastecendo? Qual o estado desta fonte?

CONTE COMIGO, estou à disposição para lhe auxiliar a chegar num outro nível. Tenho muita material incrível para pode lhe ajudar a acelerar o caminho rumo a plenitude. Finalizo manifestando a minha gratidão à você, pois é você quem me continua e me inspira na minha missão de contribuir na construção de um mundo mais próspero e saudável. Espero também ter lhe inspirado de alguma forma!

Beatriz Guenther, é graduada em Administração na Universidade Federal de Santa Catarina, pós graduada em Finanças pela Fundação Getulio Vargas/ RJ e em Desenvolvimento Gerencial pela FAE/Curitiba. Em seus 20 anos de experiência profissional atuou na área financeira e administrativa em empresas de diversos setores e de diferentes portes, sempre envolvida com equipes de alta performance. Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança e comprometidas com resultados. Em 2011 fez sua formação em Mentoring & Coaching e desde então atua como COACH de Liderança e Autoliderança presencialmente e online, com atendimentos individuais.

Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança
Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança

Como virar o jogo em 10 passos

Este método se aplica a várias áreas da vida, como relacionamentos, finanças, saúde, carreira, estudos, equilíbrio emocional, ambiente físico,…

Quantas vezes você se sentiu rejeitada? Quantas vezes você se sentiu incapaz? Quantas vezes você se odiou por estar naquela situação financeira ou num relacionamento que maltrata, ou por não ser ‘bonita’ igual modelos de capas de revista ou por ter descuidado de sua saúde? Quantas vezes, até inconscientemente ,você pedinchou amor, suplicou atenção e elogios? Quantas vezes você deixou seu amor-próprio de lado para manter alguém do seu lado? Quantas vezes, para ser aceita, você se violentou ou deixou ser violentada? Quantas vezes você recusou um convite para sair porque tinha que fazer entregar um trabalho, cuidar de filhos ou fazer uma faxina? Quantas vezes você sentiu medo de não ser boa o suficiente?

Primeiro: Reconheça e Aceite seus Limites.
Reconhecendo e aceitando seus limites você aprende e cresce! Reconhecer e Aceitar difere de se resignar, pois resignar é parar no tempo e isso leva à autodestruição. Aceitar é o primeiro passo para a transformação e lembre-se “Quanto mais você resiste, mais a situação persiste!”

Segundo: Identifique suas Crenças.
Não me refiro no sentido religioso, mas sim….naquilo que você acredita sobre os diversos temas da vida. Ex.: O que você ouviu falar sobre dinheiro? Que dinheiro é sujo, que dinheiro não traz felicidade ou ainda “nossa família sempre foi pobre”? E sobre o trabalho? Que é deve ser penoso, que é luta, que todo chefe é um “chato”? E o que você ouviu falar de amor próprio na sua infância? Será que o seu conceito não está associado a ser egoísta, egocêntrico, se achar “a dona da verdade”? E quais as suas crença sobre o sexo? Que é feio, dolorido ou leviano? E o que você ouviu falar sobre relacionamentos? Que nenhum homem presta, que todo relacionamento é difícil? Tire um tempo para refletir sobre todas as historias que você ouviu e que você passou a acreditar.

Terceiro: Seja Honesta e Realista consigo mesma.
Isso é verdade mesmo? Você realmente acredita isso? Acreditar nisso tem lhe ajudado ou lhe prejudicado? Atenha-se apenas à realidade imediata e concreta. Olhe a realidade como ela se apresenta. Ter a perspectiva real sobre os fatos pode muito favorecer você diante de situações difíceis. Ser realista é não superestimar e nem subestimar uma determinada situação. Qualquer um dos extremos pode levar você a uma interpretação equivocada da realidade dos acontecimentos e, consequentemente, gerar impactos negativos em suas decisões..
As dicas são:
1. Pare de se cobrar a realidade do “comercial de margarina”! Se acolha, se colha! E tudo parecerá uma dádiva
2. Se conecte com o que existe (e não com o que não existe)! Especialmente quando se refere a sua própria realidade e o seu estado atual.

Quarto: Saiba dizer Não.
Desde criança desejamos ser aceitos, amados e reconhecidos. E talvez por estar implantado em nossas memórias que “se alguém não gosta de nós é porque fizemos algo de errado”, por isso preferimos dizer Não a nós mesmos para termos a ilusão de que todos nos amam e com isso temos paz! E assim acabamos desenvolvendo a nossa dificuldade de dizer NÃO quando é não e dizer SIM quando é sim. Desafio você a, a partir de agora, se habituar a falar a verdade na hora certa, no tom de voz certo, sem ter a necessidade de agradar, de ferir ou de desrespeitar o outro. Tendo domínio do assunto e das emoções, seja claro sem ser agressivo, usando corretamente a linguagem (seja verbal, escrita ou corporalmente), diga o precisa ser dito de forma respeitosa e não postergue para dizer quando você já está com os nervos à flor da pele e nem sabe mais o que de fato deseja em meio ao turbilhão de emoções que está sentindo! Impondo limites, virá a tona um sentimento de respeito e valorização, afastará relações nocivas, atrairá relacionamentos mais saudáveis e é a melhor forma de manter nossa energia. Então… Que “nãos” você precisa dizer para os outros para dizer SIM a você mesma? Você está dando mais que recebendo ou está recebendo mais que dando? Ambos estão em desequilíbrio!

Quinto: Desapegue.
O desapego entendo que seja difícil, pois requer o enfrentamento corajoso do que fizemos de nossas vidas, do que somos e sentimos, e encarar nossas escolhas do passado. Muitas vezes se faz necessário dizer adeus ao amor que já deixou de acelerar nossos corações, que já não sorri quando nos vê, que não nos dá as mãos, pois não caminha ao nosso lado. É necessário despedir-se do que deixou de ser amor, nem amizade, nem conforto, tampouco troca ou cumplicidade. Muitas vezes temos que dizer adeus à amizade que já deixou de fazer falta, que não tem tempo de nos ouvir e animar, que já não aparece em busca de conselhos, nem quer saber de nossas vidas, que não acrescentam, que nos diminuem, que nos trocam facilmente, que usam nossos segredos contra nós, puxam nossos tapetes, esgotam nossas energias.É necessário despedir-se do que e de quem nos fere, no corpo e na alma, dos incomodos, dos xingamentos, das noites insones, da violência alheia, da ânsia pelo fim do expediente, pelo fim do dia, à raiva contida, às ofensas engolidas, aos desvios de caminhos, aos projetos não realizados, aos sonhos que não acordam!

Quinto: Se perdoe.
Perdão vem do latim perdonare (per – total / donare – entregar, doar). É, sem duvidas, uma das principais habilidades que somos desafiados a treinar. Assuma e corrija os seus erros procurando tornar certo o ocorrido, justamente por agora entender que o erro, via de regra, nasce de pensamentos contaminados de memórias dolorosas do passado e de condicionamentos. È esta a entrega, a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Na verdade “perdoar é libertar o prisioneiro e descobrir que o prisioneiro era você.” (Robert Muller). A pessoa que não perdoa ao outro, geralmente é a mesma que não perdoa a si mesmo. Então diga para você mesma em voz alta: “Eu me perdoo, eu estou perdoada e eu estou livre!” E observe o que sente depois. Carregar mágoa (do latim macula – mancha) é esforço desnecessário. Mas a escolha, de fazer esta entrega total e o momento, é seu! Vista sua alma de amor, expulse o rancor do seu peito e proponha paz, em especial para si mesma. O que você precisa perdoar em si?

Sétimo: Torne Realidade os seus Sonhos.
Tenha uma “fotografia” (nos mínimos detalhes) de ONDE, QUANDO ,COM QUEM quer estar, um POR QUE só seu e convincente (pois só o dinheiro não sustenta uma meta) e O QUE deseja ganhar com isso. “Quem tem um “porquê”, suporta qualquer “como”.
Algumas dicas:
1. Escreva o que deseja ( pois o cérebro assimila melhor),
2. Ter uma data (limite temporal). Se você perceber que não irá atingir… sem problema se não alcançar, basta colocar outro prazo!
3. Você precisa DESEJAR mais do que querer! Querer pouco é uma afronta ao que você deseja realizar. Quem quer mesmo, quer muito. Vontade rasa não realiza nada.
4. Que preço você está disposto a pagar ou do qe você irá abrir mão.
5. Cheque se não existe nenhuma resistência ao que você deseja dentro de você!
6. E ao final, comemore as etapas vencidas! Sonhos, ao mesmo tempo deliciosos, precisam ser protegidos e são trabalhosos. Eles estão diretamente relacionados ao legado, ao propósito de vida e à construção do futuro.
Contudo, por vezes, somos nós mesmos que criamos os maiores obstáculos que nos impedem de alcançar nossos sonhos: então que tal você pedir licença para você mesma e sair de sua frente?
Quais os seus três maiores sonhos?
Por que ainda não foram realizados?

Oitavo: Comece com o que tem.
Entenda que você tem, junto de si – agora mesmo – TUDO que você precisa para lidar com qualquer coisa que o mundo mande em sua direção. Toda vez que o inconsciente está elaborando algo, atraímos para nossas vidas pessoas que, interiormente, tem os fragmentos das respostas que buscamos. Uma citação muito interessante de Anthony Robbins me vem à mente: “O passado não importa. Qualquer coisa que não tenha dado certo no passado nada tem a ver como o que você fará agora. E o que você faz neste momento é o que vai moldar o seu destino”.

Nono: Adote um(a) Mentor(a)
Sempre precisamos de alguém que fez na nossa frente para nos inspirar. Todas as grandes pessoas da história tiveram mentores. Eu pessoalmente acho Chique e Sábio ter um(a) mentor (a). Aprendemos com os acertos e com os erros. Mas é infinitamente mais fácil e rápido aprender com os erros e acertos dos outros. A escolha é sua! Busque uma pessoa que você admira, respeita e simpatize. Quanto melhor for a ligação emocional entre vocês, mais fácil é o aprendizado. Escolha alguém que sabe fazer muito bem aquilo que você deseja aprender a ser, fazer ou ter. Mas seja precavido com os mentores que se auto promovem muito. Simplesmente escolha alguém que lhe inspire e lhe motive a fazer tudo que você é capaz de fazer. Você já pensou na idéia de ter um(a) mentor(a)?

Décimo: Se ame.
Aprenda a amar o seu cabelo bagunçado, o sorriso torto, as olheiras profundas, os dois quilos a mais, as falhas na sobrancelha, as celulites, os peitos um pouco caídos talvez, cintura não talvez não tão fina. Deixo aqui um exercício poderoso. Vá até o espelho, se olhe e namore os seus detalhes. Os seus pés, o tornozelo, as coxas, a cintura, os seios, os braços, as mãos, o rosto, os olhos, o formato da sua boca, e até as pontas duplas do meu cabelo. A segunda etapa é fixar os seus olhos no espelho e se olhar por dentro. Pois procurar fora é reconhecer que não se tem dentro!!! A terceira etapa é agradecer pela linda casa que você mora e nem precisa pagar aluguel para morar nela! Tudo, inclusive a beleza, está nos olhos de quem vê. E nada abala o que é SEU por merecimento. A autoestima se adquire a partir do autoconhecimento e do autorespeito, fazendo com que nos desvencilhemos de situações que possam nos machucar, nos desvalorizar e nos fazer sentir dor. Ter auto-estima não é ser dona da verdade e não pedir ajuda, isso é arrogância. Ter auto estima é simplesmente você se aceitar, se apreciar e apreciar sua própria companhia. “Quem não gosta de estar consigo mesmo, em geral está certo!” (Coco Chanel).

Compartilhei aqui algumas dicas para você viver uma vida plena. CONTE COMIGO, estou à disposição para lhe auxiliar a chegar num outro nível. Entre em contato comigo pois tenho muita coisa incrível para pode lhe ajudar a acelerar o caminho rumo ao sucesso. Finalizo manifestando a minha gratidão a você, pois é você quem me continua e me inspira na minha missão de contribuir na construção de um mundo mais próspero e saudável. Espero também ter lhe inspirado de alguma forma!

Beatriz Guenther, é graduada em Administração na Universidade Federal de Santa Catarina, pós graduada em Finanças pela Fundação Getulio Vargas/ RJ e em Desenvolvimento Gerencial pela FAE/Curitiba. Em seus 20 anos de experiência profissional atuou na área financeira e administrativa em empresas de diversos setores e de diferentes portes, sempre envolvida com equipes de alta performance e comprometidas com resultados.Em 2011 fez sua formação em Mentoring & Coaching e desde então atua como COACH de Liderança e Autoliderança presencialmente e online, com atendimentos individuais.

Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança
Empresária e COACH de Liderança e Autoliderança

Encontre uma Mentora

Uma grande mentora pode facilitar uma performance de excelência sob sua tutela, exercendo uma influência decisiva para a auto superação e a confiança em vencer obstáculos. Esse ambiente interno de auto-estima é que nos possibilita correr mais riscos e desafiar limites para obter um desempenho acima da média.

Uma boa mentora tem a capacidade de educar pessoas e facilitar os meios para que ela tenha um comportamento pró-ativo. Dar espaço para a ação, encorajar nos erros, comemorar os acertos e indicar caminhos de melhoria. Sendo assim, vale a pena investirmos na identificação e na partilha com alguém que possa atuar como mentora em nossa trajetória pessoal e profissional.

A atividade de mentoring tem a ver com a individualização das necessidades. Reconhecer que cada pessoa é única e oferecer diferentes desafios e recompensas é um exercício danado de difícil, contudo é a atribuição mais expressiva da mentoria. Não desenvolvemos pessoas de maneira heterogênea, assim não há porque massificar a distribuição do conhecimento ou entender todos os desafios da mesma forma.

Os princípios para se identificar uma mentora, ou mais de uma, são simples, porém nem sempre fáceis de assimilarmos e trabalharmos sob orientação. Temos dificuldade de reconhecer nossos limites e, por vezes, sofremos por não nos abrirmos para a guiança de uma mentora, líder ou professora.

Uma mentora é alguém que admiramos por seu caráter, sua conduta coerente, sua performance e seus resultados. Certamente há pessoas ao seu redor com este perfil, contudo, muitas vezes, rechaçamos a ajuda desta pessoa ou evitamos uma aproximação por temor de termos nossas fragilidades identificadas. Entretanto, esse é o papel máximo da mentora e muitas pessoas estão disponíveis para ajudar quando são solicitadas.

Uma verdadeira mentora não é aquela que nos diz o que devemos fazer, mas nos ajuda a desenvolver a capacidade de pensar por nós mesmas e até influenciar outras pessoas para uma melhor performance. Mais do que oferecer respostas, uma mentora é aquela que nos instiga a perceber a realidade através de perguntas e nos indica caminhos para que possamos encontrar nossas próprias respostas.

Contudo, o maior desafio não é identificar nossas mentoras, mas nos rendermos à oportunidades de sermos orientadas, provocadas em nossas certezas, de termos abertura para esmiuçar comportamentos e atitudes e até sermos criticadas em uma avaliação pragmática, quando na maioria das vezes queremos que nos dêem razão e aprovação. Esse não é o papel da mentora. Haverá celebração, porém nas verdadeiras conquistas, aquelas em que superamos nossos limites e rompemos com padrões estreitos que só nos levam a conflitos, dificuldades e um sentimento de vitimização.

Um relação de mentoring nos levará a um grau maior de liberdade, performance e resultados, pelo simples fato de nos fazer caminhar pela trilha do auto-conhecimento e encontrar os preciosos tesouros de nossos talentos para colocá-los em prática. Reflita sobre isto. Suerte!

Autora: Dulce Magalhães Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach. www.dulcemagalhaes.com.br
Autora: Dulce Magalhães
Ph.D em Filosofia, escritora, palestrante e coach.
www.dulcemagalhaes.com.br